Home Instituto IADI Metodologia Cursos Imprensa Publicações Agenda e Eventos Clientes Contato
DESTAQUES

NEWSLETTER
Nome:
Email:

» INSCREVA-SE JÁ

DICAS

ACESSO RÁPIDO



Domingo, 21 de Dezembro de 2014

Memorização para Vestibular


Dicas de Estudo para Alunos do Segundo grau e vestibulandos


Método de Estudo

 A Decisão de Melhorar

1. Você gostaria de estudar menos para poder fazer outras coisas, tais como descansar e divertir-se?

2. Por acaso você já fez alguma prova na escola e algumas semanas depois não se lembrava de alguns pontos importantes da matéria?

3. Você já ficou algumas horas lendo alguma matéria teórica e, no final, parece que não fixou quase nada?

Não se preocupe se você responder sim a todas as questões, pois muitos estudantes desperdiçam um tempo enorme, ou até desistem, pela incapacidade de fazerem uma preparação eficiente.

Por isso, é fundamental desenvolver algumas técnicas que o ajudarão a melhorar seu potencial.

Ao longo dos anos, percebemos que muitos alunos se preocupam em estudar, mas poucos se importam em como estudar.


Técnicas úteis para o seu dia-a dia

1 - Não tenha pressa em estudar: Às vezes, pressa demais atrapalha. Isso é bem demonstrado pela história de um vigoroso lenhador que em um dia conseguiu derrubar 70 árvores, ao passo que o recorde era de 72 árvores. No dia seguinte, querendo entrar para a história, acordou um pouco mais cedo, trabalhou duro, mas cortou apenas 68. No dia imediato, acordou ainda mais cedo, esforçou-se ainda mais, almoçou correndo e cortou apenas 60 árvores. Assim, desgostoso e desolado, sentou-se perto do refeitório. Um velho lenhador, já sem vigor físico, mas experiente, ficou com pena do jovem e, chegando ao seu lado, perguntou: – Meu filho, quanto tempo você separou para afiar o seu machado?

Montar um sistema de estudo eficiente, estudar corretamente e manter as atitudes adequadas significa exatamente isto: afiar o machado.

2 – Conhecimento prático para fazer vestibular: Qualquer atividade humana possui uma parte prática e outra teórica, um conhecimento técnico bipartido: saber o que é e saber fazer as coisas é diferente. Como exemplo, observe a construção de um prédio: há coisas que apenas o engenheiro poderá fazer (cálculos, etc.), mas outras em que um mestre-de-obras é insubstituível. Conhecer as regras de produção de uma casa, e as regras de engenharia não são garantia de que a casa saíra boa.

Saber fazer provas é diferente de saber a matéria. A realização de uma prova, também possui seu know how específico. O conhecimento funciona como se fosse uma arma, mas as técnicas de estudo e de realização de uma prova dizem como utilizar essa arma. Uma coisa é saber a matéria, outra é saber como usá-la; uma coisa é saber a resposta, outra é saber comunicá-la. Um aluno que saiba 50% da matéria e 20% de como usá-la em provas e transmiti-la terá mais sucesso do que aquele que sabe 100% da matéria, mas não sabe utilizá-las.

Aprender é uma coisa, aprender no tempo ideal é outra. Além da questão de saber a matéria e saber usá-la, também interessa a velocidade da aprendizagem. Se alguém tiver que fazer uma prova e souber se preparar bem em 2 horas, vai poder ir ao cinema e relaxar. Se outro precisar do dia todo para estudar, perdeu o cinema.

Quanto melhor e mais rápido você aprender, mais tempo sobrará para você fazer outras coisas.

Por fim, se é possível aprender a matéria para passar no vestibular em 1 ou 2 anos, por que levar 4 ou 5?

Como eu disse, uma coisa é aprender a matéria, outra é como aprender a matéria em menos tempo e melhor.

Por mais que se estude, será preciso desenvolver uma técnica especial para fazer as provas. Isso se adquire basicamente por três modos:

1º – Com o tempo, pelo sistema de erro e acerto;

2º – Com uma inteligência superior nata que ajude o indivíduo;

3º – Com o estudo de técnicas específicas sobre como aprender, como aprender mais rápido e como utilizar melhor os conhecimentos.

4 – Qual é o melhor sistema? O primeiro sistema até que funciona, mas gasta muito tempo (que às vezes não se tem). O sistema mais fácil me parece o segundo, mas ele depende da sorte, ou seja, de já nascer um gênio. Assim, o melhor sistema é com certeza o terceiro, pois é acessível a todos e produz resultados com rapidez e eficiência. Se você nunca se preocupou em aprender a aprender, e quer passar no vestibular, está na hora de modificar sua forma de agir e, conseqüentemente, alcançar melhores resultados.

5 – Raciocínio ou Repetição. Decorar ou Memorizar. Uma das primeiras modificações que precisamos fazer é substituir a idéia de que devemos repetir o que nos é ensinado, numa posição de estudo passiva, e começar a raciocinar sobre a matéria, adquirindo uma posição ativa. Não devemos querer decorar, mas sim, através do aprendizado, memorizar o essencial, as regras básicas, e assim, sobre esta base, utilizar nosso raciocínio. É preciso mudar a atitude.

De fato, uma das principais falhas no sistema de ensino é a falta de preocupação com o raciocínio, a imaginação, a criatividade e o espírito crítico. Nos colégios a preocupação é muitas vezes entulhar a matéria na cabeça do aluno ao invés de ensiná-lo a se comunicar e a pensar.

Se você quer passar no vestibular, vai ter que decorar algumas coisas, mas o grande macete é raciocinar.

6 – O subaproveitamento da capacidade do cérebro – A falta de preocupação com o aprender melhor e com a transmissão do conhecimento faz com que subaproveitemos nosso cérebro.

Quando estudamos sem técnica, subaproveitamos nosso cérebro, atrasando nosso aprendizado. Não é só: às vezes aumentamos nossas dificuldades.

Como aprender e mais rápido é importante para termos sucesso, e não levarmos mais tempo do que o necessário para chegar até ele.

O subaproveitamento do cérebro. Nosso cérebro é muito mais sofisticado do que o mais avançado dos computadores. Os índices de aprovação das pessoas em todas as espécies de exames e concursos mostram que o uso do cérebro e da inteligência sem se preocupar em como ele funciona está sendo insuficiente. A dificuldade das pessoas para elaborar uma dissertação comprova a falta que faz o raciocínio e a criatividade.

A causa principal do fraco desempenho dos candidatos é o desperdício do potencial intelectual. Os candidatos, via de regra, não sabem ler com eficiência, não sabem estudar, não possuem suficiente habilidade de expressão escrita e verbal, em suma, subaproveitam sua capacidade. Isso ocorre porque poucos se preocupam em como melhorar o próprio desempenho. Antes de aprender a matéria, é preciso aprender a aprender.

Alguns professores e a maioria dos alunos não dão importância a assuntos fundamentais, tais como as técnicas de aprendizagem e o funcionamento do cérebro. Em geral, os alunos desprezam pontos da matéria como a introdução e os princípios e conceitos fundamentais, pois querem "ir direto ao assunto", não querendo "perder tempo" com estas partes de "menor importância". Existe o vício de não pensar, de se satisfazer com um produto final e acabado, sem que se possa ou saiba julgá-lo. Então, quando se deparam com um problema, descobrem que não conseguem resolvê-lo. Por quê? Porque um detalhe mudou, e falta raciocínio e criatividade. A única constante na vida é a mudança, e quem não raciocina e cria não está preparado para mudanças. Quem conhece os princípios de cada matéria, seus pontos principais e formas de pensar e criar tem enorme facilidade diante de questões que para outros são insuperáveis.

7 – A otimização do estudo – Como um dos caminhos para solucionar o fraco desempenho de nossos alunos, entendemos que deve ser dada atenção ao processo de aprendizagem da aprendizagem, aquilo que chamamos de otimização do estudo.

Otimizar é tornar algo ótimo, é buscar o que é excelente, o melhor possível, o grau que se considera o mais favorável, em relação a um determinado critério. Através da otimização é possível estudar uma mesma quantidade de horas com um grande ganho na aprendizagem da matéria, decorrente do acréscimo de qualidade. Em suma, o aperfeiçoamento da capacidade de aprendizagem resulta em maior produtividade, exatamente o que tem faltado aos candidatos. Ao lado disso, devemos dar grande atenção à aptidão do vestibulando para se expressar através da linguagem escrita (redação), que é a forma como ele se comunica com os examinadores. Como ensina Deming (1990), felizmente uma otimização total não é necessária. Basta que se chegue cada vez mais próximo dela. Um ganho pequeno e seguro pode ser o suficiente para alterar toda uma rota, colocando-a em ascendência. Veja que nas corridas de carros, cavalos e pessoas, alguns décimos de segundo diferenciam a vitória da derrota. Se você puder acrescentar alguma qualidade aos seus estudos, isto já terá valido a pena.

É possível aprender a aprender mais rápido, a ser mais inteligente, ler, escrever, falar e se apresentar melhor, a raciocinar, criar e imaginar soluções. Este é o caminho para mudar a nossa história pessoal.

"Cada um de nós pode trabalhar para mudar uma pequena parte dos acontecimentos…

A história é feita de inúmeros atos de coragem e crença."

John Kennedy

III. Um Projeto de Estudo

"O futuro é um carro sem motorista em alta velocidade. Você tem que ser o motorista. Você tem que planejar. Tem de decidir a direção a tomar. Quer que as decisões sejam tomadas pelos outros? Não seja apenas um passageiro".

Milo O. Frank

É fundamental que você assuma o controle de seu futuro. Decida qual é o destino para o qual você dirige. O segundo passo é assumir o controle de sua vida e planejar qual o caminho a ser trilhado. É vital que você tenha um projeto e que organize um sistema eficiente de estudo.

Não adianta a pessoa parar toda a sua vida e em pouco tempo ficar estressado ou deprimido com um ritmo muito elevado de horas de estudo. Um sistema organizado e razoável permite em esforço dosado e contínuo.

1 – O ponto zero - é a decisão de começar um programa de estudos. Não se deve começar um projeto de estudos sem algumas atitudes básicas.

2 - Cinco atitudes iniciais -

a) COMPROMISSO (Persistência, Constância de propósito)

Ao contrário do mero interesse por alguma coisa, significa querer com constância. David McNally diz que "compromisso é a disposição de fazer o necessário para conseguir o que você deseja". O mesmo autor cita, ainda, a explicação de Kenneth Blanchard: "Há uma diferença entre interesse e compromisso. Quando você está interessado em fazer alguma coisa, você só faz quando for conveniente. Quando está comprometido com alguma coisa, você não aceita desculpas, só resultados." É o compromisso que fará sacrificarmos temporariamente o que for necessário para estudar e perseverar até chegarmos aonde queremos. Compromisso também pode ser entendido como perseverança, firmeza de vontade, constância de propósito, fortaleza.

Dizem que Thomas Edison só conseguiu transformar em realidade sua visão mental da lâmpada elétrica na tentativa de nº 10.000. A cada fracasso, ele se animava a continuar tentando, dizendo que havia descoberto mais uma forma de não inventar a lâmpada elétrica.

"Nossa maior fraqueza está em desistir.

O caminho mais certo de vencer é tentar mais uma vez."

Thomas Edison

Assuma a responsabilidade por seu destino, tenha iniciativa e persistência.

b) AUTODISCIPLINA (domínio próprio)

Um dos maiores atletas que conhecemos, Oscar Schimidt, ensina que a diferença entre um bom atleta e um atleta medíocre (mediano), é que este pára diante das primeiras dificuldades, ao passo que aquele, quando está cansado, dá mais uma volta na pista, e mais uma volta, e mais uma volta. Assim aos poucos, vai melhorando, minuto a minuto. Não foi qualquer um que ensinou isso, foi um dos maiores jogadores de basquete de todos os tempos.

Ele, na verdade, indicou uma qualidade indispensável para um atleta e para se alcançar um sonho: autodisciplina. Ele também ensina que é preciso ter humildade, não se achar o melhor, pois, sempre se tem algo a aprender e a melhorar.

Autodisciplina é a capacidade de a pessoa se submeter a regras, opções e comportamentos escolhidos por ela mesma, mesmo diante de dificuldades. Como se vê, autodisciplina significa que vamos nos submeter a uma coisa ao invés de outra. Ninguém é completamente livre: somos sempre escravos da disciplina ou da indisciplina. A disciplina permite escolhas mais inteligentes, e é melhor para efeito de passar em provas e concursos.

É a autodisciplina que nos dará poder para renunciar, ainda que temporariamente, a prazeres menos importantes em favor da busca por prazeres mais importantes. Aqueles que se recusam a ser "mandados" por uma disciplina auto-imposta são escravos ainda maiores da própria desorganização, preguiça ou falta de vontade.

Para ajudar na autodisciplina, concientize-se de que você é responsável por seu futuro. Liste seus objetivos de curto, médio e longo prazos, e periodicamente os releia.

c) ORGANIZAÇÃO

Quem começa a estudar deve planejar o desenvolvimento dos estudos, as matérias que precisa aprender, o material necessário, a administração do tempo etc., para não começar mal uma obra ou ir para a guerra despreparado.

Organizar-se é estabelecer prioridades. A conjugação do estabelecimento de prioridades (planejamento estratégico) com a autodisciplina (domínio próprio) e com a estruturação das atividades é a melhor forma de se obter tempo para estudar, para o lazer, descanso, família etc.

Aprenda a não deixar mais as coisas para a última hora, seja um trabalho, seja uma inscrição no vestibular. Deixar as coisas para o último dia é pedir para ter problemas e dar chance para o azar. No último dia uma máquina quebra, alguém fica doente, ocorre um imprevisto etc. Comece a se organizar e uma boa dica é essa: cumpra logo sua tarefas. Não procrastine.

Organize-se. Defina suas prioridades. Discipline o seu tempo. Estabeleça metas e cumpra-as. Ao executar uma coisa, pense apenas nela. Execute com alegria. Aproveite o dia (carpe diem).

d) ACUIDADE

Acuidade significa, como ensina o Aurélio "agudeza de percepção; perspicácia, finura". Finura no sentido aqui tratado, e ainda segundo o Aurélio, significa "afiado, que tem vivacidade, sagaz". Essa qualidade, que pode ser resumida em "prestar atenção". Isto é o que mais falta quando alguém assiste a uma aula, lê um livro ou responde a uma questão de prova. Quantas vezes você não aprendeu alguma coisa apenas porque não estava atento, ou errou uma questão de prova (uma "casca de banana") porque não estava "ligado" no que estava fazendo? Apenas por falta de atenção, de acuidade. A regra básica aqui é, na lição de N. Poussin, a seguinte:

"O que vale a pena ser feito vale a pena ser bem feito."

Assim, se você vai estudar, ler um livro, assistir a uma aula, fazer uma prova (isto é, se você decidiu fazer isto), faça bem feito. Pra fazer bem é preciso acuidade, ou seja, prestar atenção. Esse princípio, serve para tudo: trabalho, lazer, sexo etc.

Esteja aberto para a realidade e para novas idéias. Veja, ouça e sinta as coisas. Participe da vida como ator e não como espectador. Seja sujeito e não objeto dos acontecimentos. Concentre-se no que faz. Seja curioso. Não tenha receio de questionar, duvidar, perguntar. Pense, raciocine e reflita sobre o que está acontecendo ao seu redor.

e) FLEXIBILIDADE

Talvez esta seja a qualidade mais importante para que essa orientação possa ser útil. O sistema não será bom para você, a menos que você o adapte a sua realidade, qualidades, defeitos, facilidades e dificuldades. Adaptação é uma forma de inteligência. Tudo o que você vir, ler, ouvir, sentir etc. deve ser avaliado e adaptado. Teste as coisas, veja se funcionam bem para você ou se, para funcionarem melhor. demandam alguma modificação. Não tenham receio de criar seus próprios métodos e soluções.

A capacidade de adaptação foi mencionada por um grande general:

"Não se planeja e depois se procura fazer com que

as circunstâncias se ajustem aos planos.

Procura-se fazer com que os planos se ajustem às circunstâncias."

George C. Patton

Em suma, você deve ser capaz de – como diz conhecida oração – ter coragem para mudar as coisas que não são mutáveis, resignação para aceitar as que são imutáveis e sabedoria para distinguir ambas. Para montar seu projeto de estudo, adapte o que é adaptável e adapte-se às condições que você não tem como alterar.

Inventário para Organização

Esse passo consiste em se fazer um inventário pessoal e das circunstâncias. Esta é a hora em que você, numa atividade de planejamento, avalia todas as vantagens e desvantagens pessoais, todas as facilidades e dificuldades que serão encontradas. Fazendo isso, é possível administrar as dificuldades e aproveitar ao máximo as facilidades.

Teremos aqui dois inventários:

PESSOAL : inibidores / deflagradores

CIRCUNSTANCIAL: dificuldades / facilidades

 INVENTÁRIO PESSOAL

Inibidores e deflagradores. Há uma série de fatores que inibem o desempenho do estudante, e uma série de fatores que deflagram o processo de qualidade no estudo e de ganho real na aprendizagem. São esses os fatores que denomino de inibidores e deflagradores.

Precisamos nos olhar no espelho e, com sinceridade, definir nossas qualidades e defeitos, vistos sob o prisma do objetivo traçado.

Quais são as suas qualidades que facilitam o estudo? Quais são os seus defeitos que mais atrapalham? Liste-os.

                             QUALIDADES                                        DEFEITOS

INVENTÁRIO PESSOAL E CIRCUNSTANCIAL – FENÔMENOS

FENÔMENOS – INIBIDORES

CARACTERÍSTICAS:

Falhas ou vícios internos e pessoais que limitam o desempenho.

Ex.: medo, insegurança, preguiça, apatia, inveja, excesso de desejo por lazer etc.

ATITUDE:

Através do exercício do auto-controle e domínio próprio, eliminar os inibidores ou reduzir sua influência a níveis aceitáveis.

FENÔMENOS – DEFLAGRADORES

CARACTERÍSTICAS:

Qualidades e atitudes que permitem uma qualidade de vida melhor e um desempenho superior nos estudos.

Ex.: auto-estima, dedicação, persistência, fortaleza, alegria, organização etc.

ATITUDE:

Aproveitar ao máximo as qualidades já existentes e, através da mudança da própria mente, desenvolver novas qualidades.

FENÔMENOS – DIFICULDADES

CARACTERÍSTICAS:

São circunstâncias externas que prejudicam o estudo.

Ex.: excesso de som no local de estudo, ter que trabalhar, dificuldade de saúde, limitações financeiras ou geográficas, prole etc.

ATITUDE:

Tentar eliminar as dificuldades na medida do possível: trocar de local de estudo etc. Adaptar-se às circunstâncias imutáveis, por exemplo, o trabalho.

FENÔMENOS – FACILIDADES

CARACTERÍSTICAS:

São circunstâncias que facilitam o projeto de estudo.

Ex.: não ter que trabalhar por receber ajuda dos pais ou parentes, dispor de um bom ambiente de estudo e de dinheiro suficiente para livros e cursos etc.

ATITUDE:

Aproveitar ao máximo as oportunidades. Não desperdiçar as vantagens que podem não ser eternas. Não agir como o coelho que, por ser mais veloz que a tartaruga, se descuidou .

Mais do que isso, liste as coisas que mais o atrapalham no estudo. Por enquanto, anote apenas aquelas relacionadas à sua pessoa. Por mais que seja difícil, aparentemente "perder tempo" com essas avaliações pessoais, se um estudante é capaz de se auto-avaliar e identificar suas dificuldades, será extremamente mais fácil de superá-las. É por falta dessa prática que a maioria fica "marcando passo".

Dificuldades

1) Sono (às vezes é fruto da falta de exercícios físicos e organização do horário.)

2) Falta de concentração (em geral é fruto da falta de interesse na matéria, falta de um objetivo ou de treino e de organização.)

3) Excesso de organização e procrastinação (há pessoas que ficam todo o tempo planejando, organizando, querendo esperar isto ou aquilo; outros, na hora de começar acabam arrumando alguma "coisa" para fugir do estudo: ajudar alguém, arrumar o quarto, etc. Às vezes, começam a estudar e, em 20 minutos, vão ao banheiro, bebem água, etc., quando isso deveria ser feito durante os intervalos; muitos se preocupam mais com a letra bonita do resumo do que com o próprio resumo. Se você ficar esperando uma situação perfeita para começar a estudar, vai acabar não começando. Comece logo a estudar e vá se aperfeiçoando aos poucos. Tudo o que você fizer será lucro até a situação melhorar e, principalmente, você não ficará atrasado com a matéria.)

4) Falta de tempo (é resultado da falta de organização e autodisciplina do vestibulando.)

5) Preguiça (Harvey MacKay disse algo que se aplica ao assunto: "Perfure seu poço antes de ficar com sede." A indolência, o descanso em excesso, a indisposição para o trabalho estão presentes na maioria dos indivíduos. Quem se entrega a eles, não alcança seus objetivos. Quem vence a preguiça, alcança o sucesso.)

6) A matéria é chata (não há matéria chata, o problema é a falta de interesse. Se você quer passar, comece a gostar das matérias.)

7) Gostar de jogar, ver novelas, TV, etc. (estudar para o vestibular é sacrificar coisas menos importantes para alcançar coisas mais importantes. Após a aprovação, haverá mais tempo para fazermos aquilo de que gostamos.)

8) Falar muito ao telefone (a melhor solução é controlar os minutos falados, 5, 10, 15… e após desligar. É uma questão de autodisciplina: o telefone ou passar no vestibular.)

Medo ou receio de não passar (não se preocupe com ele, desfoque a preocupação, "contra-ataque" com imagens e mensagens positivas.)

10) Preocupação com o nível de dificuldade da prova (não se preocupe com isso; estude sempre para fazer uma prova com alto grau de dificuldade; se vier fácil, para você será mais fácil ainda.)

11) Insegurança (faça o seu melhor e seja persistente.)

12) Consigo estudar bastante durante algum tempo (algumas semanas ou meses), mas depois não agüento, fico estressado e passo um longo período sem estudar (isso é comum, por isso um projeto de estudo deve ser equilibrado, dosando-se descaso, lazer, estudo, atenção à família, etc.)

13) Desânimo (é normal que isso ocorra de vez em quando; o comum é que nessas horas a pessoa arrume coisas para fazer, crie uma situação, etc. A atitude correta é se conscientizar da importância do que tem de fazer. Então, comece a fazer o que tem que fazer que a preguiça passa.)

14) Vontade de desistir (quem desiste passa a vida com a dúvida e/ou a frustração de não ter continuado.)

15) Desculpas e culpados (Todos que erram ou deixam de fazer algo que deveriam sempre têm um culpado e uma desculpa; pare de apontar o dedo para os outros e ficar dizendo o que faltou, o que não foi feito, o que prejudicou, etc. Procure primeiro ver suas próprias falhas, deficiências e corrigi-las. Além disso, se falhas acontecerem, aprenda com elas e saiba perdoar a si e aos outros.)

Observação: Se uma pessoa se respeita e se estima, o seu cérebro irá se empenhar para aperfeiçoar essa noção, para obedecer a essa programação. Se uma pessoa vive dizendo que não aprende, que tem dificuldades, etc., o seu cérebro irá trabalhar para que essa imagem mental seja cada vez mais verdadeira. Se o aluno diz que vai conseguir, que vai aprender, seu cérebro irá se esforçar para obedecer.

Para alguns vestibulandos a família é um ponto de apoio e incentivo, ao passo que para outros é uma das piores dificuldades. Se sua família não colabora com você, converse com ela para pedir apoio e compreensão. Tenho certeza de que você conseguirá superar suas dificuldades.

Evite realizar alguma tarefa, pensando que poderia estar em outro local, desfrutando algum tipo de lazer. Estudar é um costume, com o tempo você se acostuma e passará a "curtir" esses momentos em que você exercitará as suas aptidões intelectuais.

Quando você estiver estudando a matéria A (e entendendo!), e seu inconsciente enviar uma mensagem a respeito da matéria B, você deve conscientemente determinar que toda a sua atenção permaneça na matéria A, já que a matéria B tem seu tempo determinado de estudo.

Se você separou sexta à noite para namorar e o seu cérebro enviar mensagem para estudar, pode "responder-lhe" que aquela ocasião é para fazer o que você está fazendo, sem desculpas nem tensão.

Com o horário de estudos você deixa de ficar à mercê de seus impulsos naturais e inconscientes. Sua vida ficará mais organizada e tranqüila, e seu estudo, conseqüentemente, receberá muito mais.

Como montar o seu horário de estudos

1º) Avalie sua semana, identificando as necessidades de descanso, sono, higiene, locomoção, estudo em grupos, estudo em casa, etc.

2º) Após definir quantas horas você tem para estudar, liste as matéria de que você gosta, as indiferentes e as de que não gosta.

Pronto, olhe para todas elas e passe a gostar de todas, caso contrário poderá haver uma diminuição em seu rendimento. Estude primeiro as que você necessita aprender mais.

3º) Devemos dar maior tempo para o estudo de matérias com maior peso na prova.

4º) O ideal é cada matéria tenha no mínimo 1 hora de estudo, mas isso não é obrigatório.

5 º) Reserve tempo para as leituras de jornal, revistas e redações.

6º) Verificar quais as horas inúteis e tentar transformá-las em úteis.

7º) Nunca corte atividades dirigidas ao seu lazer ou a atividades religiosas ou filantrópicas, pois elas são úteis para o seu espírito e dão maior força interior.

8º) Deve haver um dia da semana para o seu descanso, pois neste dia o seu cérebro vai burilar e assimilar o que você estudou nos demais. O tempo de descanso também é utilizado pelo cérebro para aprender a memorizar. Por isso que se diz que "time out is not time off", ou seja, que o tempo em que se está "fora" do estudo não significa que é um tempo "desligado" do estudo.

9º) O importante é o seu horário. Perguntar quantas horas outra pessoa estudava não tem utilidade, porque ninguém tem a vida igual; o que adianta saber quantas horas você estuda, ou quantas pode estudar por dia ou por semana. O número ideal de horas para se estudar é: o maior número de horas que você puder, mantida a qualidade de vida e do estudo.

10º) A flexibilidade é a maior virtude de um horário de estudo, desde de que combinada com responsabilidade. Se no horário de estudar você está com sono, durma um pouco e volte a estudar, mais recuperado e atento.

11º) O ideal é que você faça períodos de uma hora ou uma hora e meia seguidos de por 10 a 15 minutos de relaxamento. Nesses pequenos intervalos, tome um suco, um café, ou algo parecido. Deixe uma jarra com água, algum biscoito, o dicionário e todo o material de apoio bem à mão a fim de evitar deslocamentos desnecessários. Recomece, pois há aqueles que param para tomar um cafezinho e não voltam mais a estudar. Evite parar em frente da televisão durante os intervalos; ouça música clássica ou estude em silêncio. Evite ficar olhando para a janela, pois isso pode distrair a sua atenção. Coloque uma placa na porta do quarto, avisando que você está em horário de estudo e não deve ser interrompido.

12º) Após a refeição relaxe por 10 a 15 minutos. Depois retorne à sua escrivaninha.

13º) A primeira pessoa a ser disciplinada é você mesma, mas não é a única. Um projeto de estudos não sobrevive sem uma parcela de participação dos familiares e amigos. Mostre seu compromisso e insista para que as pessoas se façam colaboradores na sua autodisciplina. Quando você tiver sucesso, não deixe de reconhecer e agradecer o apoio recebido.

14º) O que se deve evitar é uma prática de visitas e festas regulares e/ou inesperadas.

15º) Mantenha seu local de estudo arrumado e anote as tarefas que devem ser realizadas.

16º) Coloque um relógio para despertar (aqueles sem tique-taque) a fim de evitar que você fique consultando as horas com freqüência. Não fique esperando que termine a hora de estudos daquela matéria. Concentre-se! Esqueça-se do horário e pense só naquilo que você está lendo.

DICA:

Aumente sua resistência. A atividade física de ficar sentado estudando exige tanto condicionamento quanto a atividade atlética. Não é fácil disciplinar o próprio corpo para resistir a horas e horas estudando. Se você não está acostumado, dificilmente conseguirá ficar sentado durante cinco horas seguidas. O que fazer? Insista. No primeiro dia você ficará 1 hora, no segundo 1 hora e quinze minutos, até conseguir o seu objetivo. Sempre faça uma flexão de braço a mais, corra mais alguns metros e estude mais alguns minutos: só assim você forçará o crescimento de sua resistência.

Um cuidado porém:

Sempre que for recomeçar, concentre-se. É interessante rever rapidamente os tópicos já estudados, pois isso facilita a memorização e a fixação.

"Em geral, o aluno pensa que atividades essenciais significam "perder tempo",

e que "ganhar tempo" é estudar o tempo todo.

Saber estudar é muito mais do que definir horas de estudo.

É definir a qualidade do estudo e o equilíbrio adequado entre as atividades de estudo, lazer, descanso, trabalho, etc."

William Douglas

Bibliografia:

DOUGLAS, Willian – Como passar em provas e concursos – edição especial para vestibular – ed. Impetus – RJ – 1999.


Inscreva-se - Instituto Americano de Desenvolvimento Intelectual - IADI INSCREVA-SE JÁ

Mude o curso de sua vida.
Experiência desde 1966, no Brasil desde 1974.
Sede Propria na Paulista há mais de 20 anos.

Instituto Americano de Desenvolvimento Intelectual
BUSCA:  



Élbio Jorge Caramielo
Fundador e Coordenador do IADI - Instituto Americano de Desenvolvimento Intelectual, onde coordena [...]

PODCAST

CURSOS EMPRESARIAIS
» Saiba como ter nossos
cursos em sua empresa.

CONTATO

  Tel.:   (11) 3288.2508
             (11) 3288.2466

  Cel.:   (11) 98467.5691
Email:  admin@iadi.com.br
dezembro 2014
D S T Q Q S S
« jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  


HOME  |  INSTITUTO IADI  |  CURSOS  |  PUBLICAÇÕES  |  AGENDA E EVENTOS  |  FALE CONOSCO
© IADI 2000-2014 - Todos os direitos reservados - Política de privacidade
( Av.Paulista nº 648, Bloco 4 – 15º andar  - Cep: 01310-907 - tel.:(11) 3288.2508 - 3288.2466 e TIM Celular 11 98467.5691)